BLOG

pelejovem

 

Já se sabe que a prática constante de exercícios ajudam a proteger o organismo de doenças cardiovasculares, diabetes, demência, depressão e até câncer.
Mas, além disso, também combate o envelhecimento da pele, como afirmou um cientista canadense.

A partir dos 25 anos de idade, se inicia o processo de envelhecimento da pele, que é quando a epiderme (primeira camada externa) vai ficando mais seca e grossa, enquanto a derme (segunda camada) fica mais fina e perde elasticidade.  A exposição aos raios solares, vento, poluição, agentes químicos também contribui para o envelhecimento precoce da pele.

De acordo com o estudo feito, três horas de atividades esportivas por semana seriam suficientes para ajudar a rejuvenescer, e também aumentar o fluxo sanguíneo para a pele, deixando-a mais brilhante e saudável.

Porém há alguns cuidados extras que você deve ter na prática:

• Limpe diariamente o rosto, com os produtos adequados para o seu tipo de pele
• Mantenha uma alimentação balanceada
• Proteja o corpo com cremes ou loções hidratantes, para repor o manto lipídeo, depois do banho.
• Proteja a pele de agentes exteriores, como o sol, a poluição ambiental, o frio ou os agentes químicos
• Use cosméticos com filtros solares, ingredientes hidratantes, nutritivos e protetores
• Não se exercite em jejum, consuma carboidratos antes do exercício

 

 

 

Nove alimentos para aumentar a imunidade

alimentos-funcionais

Com o clima ficando mais fresquinho, é sempre bom saber o que pode ajudar nossa saúde a se manter em alta e fazer o possível para passar longe de resfriados e outras doenças que podem atrapalhar nosso cotidiano.
Veja alguns alimentos que aumentam nossa imunidade:

Frutas cítricas
Frutas como a laranja, acerola, kiwi, tomate, além de brócolis, couve e pimentão verde e vermelho são ricos em vitamina C, antioxidante que aumenta a resistência do organismo.

Vegetais verdes escuros
Vegetais verdes escuros (brócolis, couve, espinafre), feijão, cogumelo (shimeji) e fígado são alguns dos alimentos que apresentam ácido fólico. O nutriente auxilia na formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo.

Alimentos ricos em zinco
Carne, cereais integrais, castanhas, sementes e leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico), são ricos em zinco, nutriente que combate resfriados, gripes e outras doenças do sistema imunológico.

Oleaginosas
Noz, castanha, amêndoa e óleos vegetais (de girassol, gérmen de trigo, milho e canola) são ricos em vitamina E. Ela é benéfica, principalmente para os idosos, agindo no combate à diminuição da atividade imunológica por conta da idade.

Tomate
Rico em licopeno, o tomate é forte aliado para combater doenças cardiovasculares, removendo radicais livres do organismo

Alimentos fonte de ômega-3
O ômega-3 presente, por exemplo, no azeite e no salmão, auxilia as artérias ficarem longe de inflamações, ajudando a imunidade do corpo.

Antioxidantes
A castanha-do-pará e cogumelos (champignon) contêm selênio, um antioxidante que combate os radicais livres, melhorando a imunidade do corpo e acelerando a cicatrização do organismo.

Gengibre
Rico em vitaminas C, B6 e com ação bactericida, o gengibre, além de ajudar a tratar inflamações da garganta, auxilia nas defesas do organismo.

Pimenta
A pimenta é fonte de betacaroteno, substância que se transforma em vitamina A, um nutriente que protege o organismo de infecções.

Luz Intensa Pulsada: um tratamento e muitas potencialidades

luz-intensa-pulsada

 

A Luz Intensa Pulsada é uma poderosa aliada no tratamento das lesões de pele causadas pelo fotoenvelhecimento. Ela age tratando rugas finas, vasos faciais, rosácea, manchas e alterações na textura da pele, por exemplo. O que permite que a Luz Intensa Pulsada trate diferentes problemas é a sua amplitude de comprimento de ondas, que atingem diferentes profundidades da pele. Os pulsos de luz “jogados” sob a pele têm como objetivo restaurar e renovar as fibras de colángeno. Essa luz, quando absorvida pela pele, transforma-se em calor e isso gera um incentivo à produção de mais colágeno, melhorando a textura e o aspecto da pele. A luz também concentra-se na melanina que forma as manchas e quando absorvida ali, esquenta e promove a destruição delas.

Através desse tratamento a pigmentação da pele se torna mais homogênea porque o calor gerado através dele concentra-se na melanina encontrada nas manchas e as destrói, fazendo com que a pele fique mais bonita sem essas lesões superficiais. Esse calor, gerado pela Luz Intensa Pulsada também atinge os microvasos da face, que ocasionam a rosácea, uma vermelhidão causada pela trama de vários vasos sanguíneos.

O ideal é que o tratamento com Luz Intensa Pulsada seja realizado a cada 30 dias, e não esqueça: ele só pode ser executado por um médico especialista em estética.

Na Una Medicina Estética você encontra os profissionais capacitados para realizar os tratamentos que irão deixar sua autoestima lá em cima. Venha até a Una, marque uma avaliação e realize os tratamentos certos de forma segura e eficaz.

 

 

O “terrorismo nutricional”causado pela obsessão pelas dietas

food-hoofd

Quem nunca sofreu fazendo uma dieta restritiva?

As dietas muito restritivas podem causar tamanho estresse que são capazes de levar a transtornos alimentares sérios, por isso a doutora em endocrinologia pela USP, Sophie Deram, defende a volta do prazer de comer e ressalta que está faltando respeito ao corpo.

Para a endocrinologista e autora de “O peso das dietas – Emagreça de forma sustentável dizendo não às dietas”, o terrorismo nutricional é cada vez maior, e amplificado por sites e blogs, o que tem provocado uma relação cada vez mais estressante com o ato de comer.

Confira a entrevista de Sophie Deram à revista Marie Claire.

Marie Claire – Por que a senhora diz que vivemos uma época de terrorismo nutricional?
Sophie Deram -
 Trabalho com pacientes que têm transtorno alimentar. São pessoas muito assustadas frente ao alimento. Ou têm medo ou comem demais, numa relação muito alterada com o ato de comer. Trabalhando com essas pessoas, vejo como são assustadas com tudo que se fala sobre nutrição. Elas têm crenças muito distorcidas. A maioria começou esses transtornos fazendo dieta. Aí vem essa noção de terrorismo alimentar: em vez de ajudar as pessoas a comer melhor, ficarem mais tranquilas, se cria uma série de regras tão difíceis, rigorosas, que acabam sendo mais um estresse do que um alivio. A maioria das pessoas lida bem com a comida, se permite comer um pouquinho a mais mesmo escutando que glúten é perigoso etc. Mas tem uma grande parte da população que pode se assustar demais com esse tipo de informação e coloca alimentos como potenciais perigos.

MC – Isso leva a que tipo de transtorno?
SD -
 Isso é muito variável. Não é todo mundo que faz dieta que vai ter um transtorno alimentar. A gente diferencia também entre transtorno alimentar, que tem um diagnóstico, ao que chamamos de comer transtornado. A pessoa que come transtornado não está com uma doença, mas não come de maneira tranquila. É aquela pessoa que não aceita um convite porque ela não sabe que tipo de alimento vai ser servido no lugar. Tem pessoas ainda que não tem uma restrição alimentar, mas medo de certos alimentos. Por exemplo, quem tem fobia a açúcar porque escuta hoje que é um veneno. Só de comer açúcar se sente mal. Isso está acontecendo atualmente com glúten e com a lactose.

MC – A senhora defende que dietas muito restritivas podem provocar obesidade. Como?
SD -
 Não é exatamente isso. A obesidade pode ter muitos fatores. É muito difícil saber o que começa a provocar. O que eu digo é que fazer dietas muito restritivas coloca você em risco de ganhar mais peso ainda. Tem estudos que mostram que fazer dieta não funciona, que 95% das pessoas voltam a engordar e outros que mostram que muitos engordam ainda mais do que antes. Primeiro, temos que se perguntar: por que ainda estamos fazendo tanta dieta restritiva? A obesidade não é somente a consequência de alguém que come demais e não faz exercício físico. Infelizmente, isso foi muito simplificado estigmatizando o obeso, como se fosse alguém sem força de vontade. Não tem pessoa mais preocupada com o peso do que o obeso. Ele está o tempo todo frente ao problema que vive. Hoje não existe um tratamento 100% certo, sem efeito secundário, contra a obesidade. Mesmo a dieta tem efeitos secundários, que são aumentar o apetite, diminuir o metabolismo, colocar a pessoa em risco de um transtorno alimentar, de ficar mais obcecado com alimento. Mas não digo que fazer dieta provoca obesidade, isso é simplificar demais.

MC – Mas as pessoas que chegam para tratar de transtornos alimentares, pela sua experiência, começam com obsessão por dieta?
SD -
 Tem dados que mostram que mais de 90% dos pacientes com transtorno alimentar começaram fazendo uma dieta muito restritiva. Há estudos ainda que apontam que fazer uma dieta restritiva aumenta o risco de desenvolver transtorno alimentar em até 18 vezes. É um precipitante, vamos dizer assim. Mas, provavelmente, tem uma pré-disposição. Isso que estou estudando como coordenadora de genética do transtorno alimentar [no Hospital das Clínicas]. Não é todo mundo que faz uma dieta restritiva que vai ter transtorno alimentar. Mas quase todos começam fazendo uma dieta.

MC – Por que classificamos tanto alimentos entre vilões e saudáveis?
SD -
 É impressionante isso [de vilanizar alimentos]. Há 30 anos atrás era a gordura em geral, depois foi o carboidrato e agora cada vez mais com nutrientes mais específicos. Vai explicar pra um leigo o que é glúten. É muito complicado! É um certo tipo de proteína do trigo. Então é uma coisa muito assustadora para quem não tem informação e a pessoa vai se assustar e tirar tudo que contêm glúten sem necessariamente entender. Vilões são uma coisa nova. Mas sempre houve a busca de alimentos milagrosos, aquele que vai ser o elixir da juventude. Faz parte de nosso espírito acreditar em alguns alimentos que vão nos salvar de repente de uma doença. Tem um grande negócio ao redor dessas modas, no mundo inteiro. Na China, há muitos alimentos que prometem poder afrodisíaco. Temos que ter bom senso. O pão está na nossa alimentação há milhares de anos. Por que de repente vai virar um veneno?

MC – Quanto às crianças, elas precisam ser protegidas da exposição aos fast-foods? Como seria uma educação alimentar sem exageros?
SD -
 Essa é uma questão muito importante, mas eu não acho que tenho a solução, infelizmente. É importante não expor demais as crianças. Claramente se você dá uma escolha, ela vai escolher o alimento mais gorduroso e doce. Nosso cérebro tem muita recompensa por esse tipo de alimento. Mas não devemos demonizar esses alimentos. Se você faz isso, tem estudos que mostram que, quando a criança vai comer, come mais. É interessante educar com uma relação tranquila com alimentos, num meio ambiente de qualidade. Colocar doces, frituras e alimentos mais energéticos como ocasionais. Não facilitar a oferta, mas também não demonizar. Quando eu trabalho com um adolescente obeso, sempre deixo claro que ele pode sair às vezes com amigos para ir a um fast food. Você não pode impedir um adolescente de ficar com a turma porque está gordo. É algo extremamente frustrante, ele vai se sentir excluído por ser gordo, pode até piorar a situação. É importante lembrar que o homem se nutre de alimentos e sentimentos. A parte emocional é muito importante. Se você tirar isso, obrigando a comer só brócolis, a pessoa vai primeiro odiar brócolis e depois ficar muito triste por perder uma parte importante do bem estar que é o prazer de comer.

MC – Muitos colegas seus estão receitando dietas com alimentos considerados funcionais, como a proteína de trigo, batata doce e carnes brancas, para o ganho de massa muscular. Precisamos desse tipo de dieta?
SD -
 Nem todo suplemento é ruim, nem todo alimento funcional. A nutrigemônica é a ciência que estuda como os alimentos conversam com os seus genes. Ela mostra que os alimentos têm um poder extraordinário no metabolismo. Alimentos funcionais são fantásticos. Quanto mais você comer com qualidade, mais vai ajudar sua saúde. O problema é o uso dessa palavra funcional como um terrorismo, obrigar a comer certos alimentos e proibir outros, colocar uma dicotomia separando alimentos entre ruins e bons. Isso não é verdade. Excesso de alimentos, claro, pode alterar sua saúde. Mas não tem alimentos que você prove uma vez e já engorde.

MC – Mas há riscos de uma suplementação excessiva?
SD -
 O whey protein, por exemplo, me preocupa muito porque um pouquinho não faz uma alteração no metabolismo, mas o excesso sim. Tem estudos mostrando que o exagero pode provocar risco de resistência a insulina. É como tudo, tem que ter bom senso. Pessoalmente, dou muito mais valor ao alimento mesmo que ao suplemento. O alimento vem com os nutrientes funcionais e mais milhares de compostos bioativos que ainda nem descobrimos, ainda não sabemos tudo. Então é muito mais interessante comer uma cenoura, que vem com fibras, betacaroteno e milhares de compostos, do que um comprimido de betacaroteno. O que vem no comprimido vai ser totalmente isolado, não vai conversar com seu gene do mesmo jeito que uma cenoura, que tem milhares de compostos.

MC – Dietas que ficam conhecidas ao serem adotados por personalidades, como a Ravenna popularizada pela presidenta Dilma e alguns ministros, traz riscos à população?
SD -
 Acho que sim. Qualquer dieta muito restritiva tem que ser feita com muita cautela. Uma dieta muito restritiva, como falamos, coloca a pessoa em risco de transtorno alimentar, de desenvolver compulsão. Os casos mais graves de compulsão que vi na minha carreira foram de pacientes ex-Ravenna. Não estou dizendo que todos têm, mas infelizmente vi casos incríveis. Não sei bem como a dieta funciona, mas sei que é extremamente efetiva, a pessoa perde muito peso -por isso o sucesso-, mas merece cuidado, especialmente quando o paciente volta a comer. Aí pode desenvolver perda de controle, ganho de peso muito rápido e ficar muito assustado.

MC – Há uma corrente de nutricionistas que defende também um retorno da comida “de verdade”, em oposição aos alimentos industrializados. É possível de adotar no dia a dia?
SD -
 O novo Guia Alimentar Brasileiro do Ministério da Saúde, lançado em novembro, foi pioneiro nesse sentido e muito celebrado no mundo inteiro. Esse guia fala mesmo em comer mais alimentos verdadeiros e menos ultraprocessados. Isso não quer dizer excluir alimentos da indústria, porque precisamos deles, 80% da população vive nas cidades. Mas é interessante não depender só de alimentos processados. Muita gente acha que vale a mesma coisa comer tudo pronto e, quando se trablaha com nutrigenômica, se vê que o alimento verdadeiro vai ter uma conversa muito mais rica com sua saúde do que o ultraprocessado. Hoje, claro, não podemos plantar nossos legumes, ter uma vaca no quintal. Mas quanto mais aumentamos a troca pelo alimento verdadeiro, melhor.

MC – A senhora já fez alguma dieta? Como mantém o peso?
SD -
 Eu nunca fiz dieta, mas não porque tenha uma genética boa, mas porque pra mim é muito difícil, gosto muito de comer. Não tive uma história simples com peso porque tive filhos e na gravidez o corpo muda. Não gostei de ter ganhado peso, mas sempre confiei no meu corpo cuidando bem da qualidade da minha alimentação. Sempre me recuperei bem. É muito importante confiar no corpo e lembrar que quando uma mulher tem filho é normal ganhar gordura e que o corpo precisa de tempo para voltar a um peso mais saudável. O que infelizmente está faltando hoje é um respeito pelo corpo.

MC – Mas se permite ir a um fast food?
SD -
 Sinceramente, fast food eu não gosto, não acho gostoso. Só quando meu filho era adolescente, eu ia por um momento de cumplicidade. Claro que em algum tipo de situação, eu como, mas não é meu predileto, prefiro um restaurante italiano com um taça de vinho do que um sanduíche e Coca-cola. Mas não acho um veneno. Se for numa situação gostosa com meu filho porque estamos numa estrada e só tem isso, vou e até que acho gostoso, se estiver com fome [risos].

 

Está na sua hora de fazer peeling?

tipos-peeling-capa

 

As dúvidas na hora de escolher um tratamento estético são comuns, por isso é tão importante a consulta ao médico especialista em estética. Alguns indícios podem demonstrar que o peeling químico é a melhor escolha:

– Você percebeu que o creme não está mais clareando as manchas;

– Possui rugas e linhas de expressão antes das amigas da mesma idade;

– Tem a pele muito oleosa e não consegue controlar o problema com sabonete específico;

– Está usando o creme clareador da forma correta há pelo menos três meses e não viu nenhuma melhora;

– Não consegue mais cobrir as manchas com a base e o corretivo habituais;

– Deseja melhorar a qualidade e a luminosidade da pele.

Há diversos tipo de peeling químico, e somente o médico poderá indicar qual o ideal para o tipo de pele e os problemas que ela apresenta. Para uniformizar o tom do rosto e clarear manchas, por exemplo, um dos métodos mais indicados é utilizar os ácidos retinoicos e glicólicos. Já quando a intenção é controlar o excesso de oleosidade, o peeling a base de ácido salicílico é a melhor escolha.

Depois da aplicação do peeling, a pele pode ficar avermelhada e com a sensação de ardência durante a primeira semana. Por isso é importante manter os cuidados com a hidratação. Tratamentos com o uso do cosmético clareador à base de ácido kójico, hidroquinona e vitamina C são muito recomendados. E não esqueça nuca: é fundamental utilizar filtro solar, inclusive nos dias nublados.

 

 

 

Alimentação refletida na pele

 

shutterstock_63207955

 

Certos alimentos podem ajudar a ter a pele que você sempre sonhou, já que o reflexo da sua saúde aparece diretamente nela. Por isso tratar da beleza de dentro para fora é a melhor forma de estar sempre saudável e bonita.

Confira algumas dicas:

Inclua no cardápio itens anti-inflamatórios e antioxidantes, como:

– Alimentos ricos em H2O: pepino, couve-flor e abobrinha;

– Folhas escuras: Couve e espinafre;

– Castanhas;

– Frutas: ​ framboesa, abacaxi, kiwi, abacate, melancia, melão, amora, ​goiaba, o tomate, melancia e pêssego;

​A goiaba, o tomate e a melancia, por exemplo, contêm licopeno que tem ação antioxidante e retarda o envelhecimento, ameniza as rugas e aumenta a fotoproteção.

Seu problema é oleosidade em excesso?

​A acne está relacionada com alterações hormonais, bem como a fatores imunológicos e inflamatórios. Por isso é fundamental:

Água, muita água! No mínimo 2 litros por dia.

– Frutas ricas em vitamina C: como laranja, limão, acerola e tangerina.

– Alimentos com vitamina E, como folhas verdes, brócolis e abacate.

– Chá de camomila, alecrim, cavalinha e erva-doce.

Evite: p​icanha, costela, linguiças, salames e embutidos, que ​ são ricos em gorduras saturadas.

O excesso de carboidratos refinados, de produtos industrializados e de aditivos químico, pode desiquilibrar a flora intestinal e impedir que nosso corpo absorva imporatantes nutrientes que deixariam nossa pele mais bonita. Por isso é importante investir em alimentos como aveia, biomassa de banana verde, chicória e óleo de coco. Outras fibras (da linhaça, da chia e das frutas, por exemplo), boas fontes de proteínas, ingestão de líquidos e suplementos à base de probióticos também são cruciais nesse momento.

Pele jovem e luminosa

A dica principal é ingerir alimentos ricos em antioxidantes:

– Beba água mais alcalina (com pH acima de 9,5), que ajuda na detoxificação hepática

– Alimentos com carotenoides: laranja, mamão, cenoura crua, damasco e vegetais escuros

– Alimentos com flavonoides: chá-verde, frutas vermelhas, beterraba e berinjela

– Laranja, mamão, ​cenoura crua, damasco e vegetais escuros

Ao ingerir alimentos ricos em vitaminas C e E aumentam a extensão dos telômeros, aminoácidos localizados nos finais dos cromossomos que os protegem da degradação, diz Luciana.

Evite!

– ​Refinados, como farinha branca e açúcar. Eles causam o envelhecimento e flacidez.

Noite bem dormida

Para encerrar esse processo holístico de embelezamento, é preciso dormir bem. São necessárias oito horas de sono ininterruptas. Para dormir melhor a dica é chá de camomila. Ele é calmante e ajuda a relaxar depois de um dia cheio. Mas o bom mesmo é deixar o celular de lado antes de ir para a cama. É preciso saber se desligar de verdade.

Dietas Detox

suco-detox

As dietas detox estão por todos os lados e têm muitos adeptas. Porém, é preciso ter cuidado. Um artigo de uma importante publicação britânica, o Journal of Human Nutrition and Dietetics, afirma que há poucas evidências clínicas que suportem essas dietas, e por isso é necessário estar atenta aos benefícios e aos riscos dos programas detox.

Confira:

Dietas “detox” para eliminação de toxinas e para controle do peso: uma revisão crítica de evidências

Dietas “detox” são estratégias populares que alegam facilitar a eliminação de toxinas e a perda de peso, promovendo, teoricamente, saúde e bem estar. A presente revisão examina se tais dietas são necessárias, o que elas envolvem, se são efetivas e se apresentam algum perigo. Apesar de a indústria de “detox” esteja crescendo, há pouquíssimas evidências clínicas que suportem o uso destas “dietas”. Alguns estudos clínicos têm mostrado que dietas “detox” comerciais melhoram a destoxificação hepática e eliminam poluentes orgânicos persistentes do organismo, embora tais estudos sejam prejudicados por metodologias falhas e tamanhos amostrais pequenos. Há alguma evidência preliminar sugerindo que certos alimentos tais como coentro, nori e olestra tem propriedades de destoxificação, apesar de a maioria dos estudos ter sido realizada em animais. Até o momento, NENHUM ensaio clínico controlado e randomizado foi conduzido para avaliar a efetividade de dietas “detox” em seres humanos. Esta é uma área que merece atenção para que os consumidores possam ser informados sobre os potenciais benefícios e riscos de programas “detox”.

Klein AV, Kiat H. Detox diets for toxin elimination and weight management: a critical review of the evidence. J Hum Nutr Diet. 2014; doi: 10.1111/jhn.12286. [Epub ahead of print]

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jhn.12286/abstract;jsessionid=A34D796E034289281B578B96FF3B5FE9.f01t03

Radiofrequência, um tratamento e muitos benefícios.

5889251_l

O tratamento com radiofrequência é um clássico da medicina estética, que se consagrou por sua eficácia, versatilidade e segurança. A radiofrequência consiste na geração de calor, através de corrente elétrica, no tecido subcutâneo, o que estimula a produção de novas fibras de colágeno, melhorando muito o aspecto da pele.

Indicações

O tratamento com radiofrequência é muito versátil, e por ser realizado no corpo e no rosto. É indicado para melhorar a flacidez da pele, reduzir rugas, amenizar a celulite além de tratar cicatrizes de acne e estrias.

Como funciona o tratamento

Inicialmente a pele é higienizada para que seja feita a aplicação do gel de condução específico para o tratamento. Depois de aplicado o gel, a técnica começa, e o aparelho é posicionado na pele para a realização dos disparos de radiofrequência no local tratado.

A técnica não é invasiva e causa efeitos apenas na área tratada. Durante a aplicação, através dos disparos de radiofrequência, a temperatura da pele e do tecido subcutâneo é elevada até mais ou menos 40°C. Esse calor atua diretamente na célula de gordura, o que melhora o seu metabolismo e reduz o seu volume.

O aparelho de radiofrequência aquece o tecido através da corrente elétrica, o que gera a contração imediata da fibra de colágeno e a sua remodelação. Com o tratamento observa-se o estímulo dos fibroblastos para a produção de novo colágeno.

Resultados

Os resultados são rápidos e progressivos. Começam a aparecer, em geral, a partir da terceira sessão. Mas isso depende diretamente de fatores como: local de aplicação, idade, grau de flacidez, numero de sessões e manutenção dos resultados obtidos.

Realize uma avaliação na Una Medicina e Estética e descubra qual o tratamento mais indicado para você.

Seja bela, seja única, seja Una!

 

Tratamentos para ficar linda em qualquer ocasião

 estetica-1024

O verão está chegando e os cuidados com o rosto e o corpo aumentam nessa estação. Para você ficar com tudo em cima, a Una Medicina Estética dá algumas dicas de tratamentos com resultados rápidos, que irão garantir mais beleza e bem-estar na estão mais quente do ano.

O Preenchimento com Ácido Hialurônico corrige e suaviza rugas, sulcos, cicatrizes e depressões da pele, além de dar contorno e volume aos lábios. É uma técnica simples e rápida, com resultados aparentes após a primeira sessão. A substância preenche o espaço entre as células e, em função da sua capacidade de atrair água para o local em que foi aplicada, melhora também a hidratação da pele.

Outra técnica que apresenta resultados rápidos para o verão é a Aplicação de Toxina Botulínica. Ela relaxa a musculatura e suaviza a expressão facial, o que melhora muito a aparência de rugas e linhas de expressão. Os resultados da aplicação começam a aparecer no prazo de dois a cinco dias depois de sua realização. A Toxina Botulínica , pode ainda ser utilizada no tratamento do suor excessivo, outro problema muito incômodo no verão.

Os Peelings Superficiais também são uma boa escolha para quem quer resultados mais imediatos. Eles estimulam a produção de colágeno, o que melhora as rugas e as manchas da pele.

A Drenagem Linfática pode ser uma grande aliada de última hora. A técnica ajuda a desintoxicar o organismo e eliminar toxinas, o que auxilia na redução de medidas, na melhora da celulite e nos inchaços.

Se você tem uma ocasião especial e quer ficar ainda mais bonita, venha até a Una Medicina e Estética e faça uma avaliação. Nossos profissionais irão ajudar a escolher o tratamento certo, seja para uma festa, as comemorações de final de ano, ou ainda para aproveitar muito mais o verão, com beleza, bem-estar e saúde.